Preservação de fontes e córregos - Projeto Igarapé

Publicado em 10/08/2016 11:04:59



O Instituto Água, em conjunto com diversas outras instituições, abaixo nomeadas, participa de uma iniciativa que tem por finalidade identificar as fontes d`água existentes nas regiões serranas do município de Maranguape, diagnosticar o seu estado de conservação, propor planos de manejo visando a preservação destas fontes, caso necessário, e levantar a qualidade das águas dos córregos, aí originadas, ao longo de percursos que passam por comunidades. O município de Maranguape faz parte da região metropolitana de Fortaleza e possui importantes ecossistemas em vastas regiões serranas de reconhecida relevância ambiental em especial como um Ecossistema Produtor de Água. Na década de noventa, a região serrana foi classificada como Área de Proteção Ambiental (APA), que foi definida e pela Lei Nº 1.168, de 8 de julho de 1993, sancionada pelo Prefeito Municipal de Maranguape (PMM).  Este estudo reúne as seguintes instituições: Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Maracanaú (IFCE); Universidade Federal do Ceará (UFC); Secretaria do Ambiente e Controle Urbano (SEAC); Instituto Água (IA), IDESCO e Proprietários dos sítios onde as fontes estão localizadas. São as seguintes  as principais ações projetadas e/ou já em desenvolvimento: seleção das fontes que comporão o “elenco piloto” e as respectivas propriedades particulares onde existem tais fontes; formação de parcerias com os proprietários com assinatura de termo de adesão e responsabilidade com os proprietários; visitas preparatórias para caracterização inicial de cada fonte;  coleta de amostras de solo e água para posteriores análises laboratoriais; georeferenciamento das fontes e da área de entorno; análise de situação ambiental no entorno das nascentes; proposição de um plano de manejo florestal sustentável; incentivo para o registro das terras no cadastro nacional de Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), seleção dos córregos que serão monitorados, coleta de amostras em pontos estratégicos que indiquem o impacto das comunidades situadas as margens dos córregos, emissão de laudos, estudo em conjunto com a comunidade de ações mitigadoras para preservação. Pela complexidade da iniciativa tanto pelo objeto como pelo arranjo institucional necessário ao desenvolvimento dos estudos, o projeto está desenvolvendo um modelo de governança compartilhada.



João Augusto Araújo Paiva