Qualidade da Água

Publicado em 10/08/2016 11:28:39



A despeito do clichê: água é vida! É a condição básica para existência de todos os organismos da Terra e está presente em toda e qualquer interação de complexidade biológica! Não há como negar sua importância, embora nossas atividades e atitudes tenham gerado implicações negativas sobre a natureza global.

Valoramos a água enquanto recurso hídrico, levando ao risco de adotarmos o entendimento de que o valor monetário possa transcender o vital. Nesse sentido, a concepção da água como mercadoria tem aumentado os conflitos entre os setores produtivos e a sociedade, embora o uso prioritário da água para consumo humano e dessedentação de animais esteja legalmente amparado pela Constituição brasileira.

Esse conflito é mais evidente em regiões que apresentam escassez hídrica natural ou da má gestão dos recursos hídricos. Em situação de escassez, os conflitos pelo direito de uso da água são intensificados, na medida em que cada usuário recorre ao seu direito à disponibilidade adequada de água, como base nos usos múltiplos.

Nessa discussão, a atenção sobre o atendimento às classes e padrões de qualidade da água se dissolve: basta-nos acompanhar as discussões no âmbito dos comitês de bacias e o noticiário jornalístico. Discutir sobre água apenas pelo viés quantitativo é simplificar a dimensão dos problemas e desafios, uma vez que a redução da qualidade da água é também uma ameaça ao seu uso e disponibilidade, principalmente ao abastecimento humano, estabelecido pela Política Nacional de Recursos Hídricos como sendo prioritário.

Não se pode dissociar os aspectos quantitativos da água dos atributos básicos de qualidade. Tal assertiva torna imperativa a necessidade crescente de monitorar, controlar e combater as diversas formas de poluição e contaminação a que nossos ecossistemas aquáticos estão sendo submetidos, no intuito de mitigar os seus efeitos mais desastrosos, dentre eles o estabelecimento e o desenvolvimento acelerado de cianobactérias potencialmente tóxicas e a introdução de poluentes emergentes, como os fármacos e os pesticidas, usados em larga escala atualmente.  

Nesse contexto, o Instituto Água reconhece a necessidade de equilibrar o debate e as ações sobre os recursos hídricos com base na interdependência dos aspectos qualiquantitativos da água.



Helena Becker

Paulo de Freitas Lima

Julio Sales